15 abril, 2012

A cáfila dos esquecidos

imagePor bettencourt 

Hoje proponho que revisitemos os principais argumentos que foram utilizados pela oposição PSD e PP na contestação ao Programa de Estabilidade e Crescimento (P.E.C.) de 23 de março de 2011 e cujo “chumbo” haveria de ser determinante para a demissão do Governo e para o subsequente pedido de ajuda financeira. O texto que se segue é adaptado de um artigo publicado hoje no DN. 

Diziam eles que,
“Num momento particularmente difícil o Governo (PS), propõe-se mais uma vez restringir o acesso aos apoios sociais, particularmente aos desempregados." (1)

Consideravam também que,
"Revela uma imensa insensibilidade social, especialmente quanto aos idosos, ultrapassa o limite dos sacrifícios que podem ser impostos aos portugueses e demonstra falta de equidade fiscal e social na distribuição das dificuldades." (2)
 
Por outro lado e segundo eles,
"Não ataca os problemas de frente e prefere atacar a despesa social, atacando sempre os mesmos, os mais desprotegidos. Mantém a receita preferida deste Governo: a solução da incompetência. Ou seja, se falta dinheiro, aumentam-se os impostos." (3)
 
Achavam pois que o plano proposto,
"Apenas castiga os portugueses e não dedica uma única linha para o crescimento da economia. O que não se aceita é a falta de um rumo, da esperança que devolva o bem-estar aos portugueses e que promova a convergência real com os restantes cidadãos europeus." (4)
 
O que lhes permitiu concluir que,
"Mais uma vez o Governo recorre aos aumentos de impostos e cortes cegos na despesa, sem oferecer uma componente de crescimento económico, sem uma esperança aos portugueses." (5)
 
Assinalando ser,
"…evidente que Portugal precisa de proceder a um ajustamento orçamental, reduzindo o défice nos termos dos seus compromissos internacionais, entende-se que o caminho escolhido pelo Governo é errado e não trará ao País a necessária recuperação económica." (6)
 
Acrescentando ainda que
"…a essa realidade junta-se ainda a incapacidade em suster o aumento galopante do desemprego e do endividamento do País." (7)
 
Aproveitaram ainda para lançar acusações de que,
"O Governo recusa-se a dizer aos portugueses qual a verdadeira situação das finanças públicas nacionais." (8)
 
Concluindo que,
"Os resultados que se atingiram tiveram o condão de se fundar ou no sacrifício das pessoas e das empresas - suportado pelo aumento asfixiante da carga fiscal - ou no recurso a receitas extraordinárias." (9)
 
E ainda que,
"As medidas tiveram efeitos recessivos na economia e não trouxeram qualquer confiança aos mercados." (10)
 
Sustentando a opinião de que,
"Portugal é o único país da Europa que não vai crescer. Não pode, por isso mesmo, o Governo afirmar que a culpa é da "crise internacional", como insistentemente afirma para tentar enganar os portugueses." (11)
 
Tendo até Identificado a seguinte incongruência,
"É o Governo que desmente o próprio Governo." (12)
 
Para por fim, terminarem com chave de ouro,
"A credibilidade, uma vez perdida, é extremamente difícil de recuperar." (13)
 
Até Já

Legenda de referências:
1, 3, 4, 5, 7, 8, 9, 11 – inscrito na moção de rejeição do PSD ao PEC 2011/2014.
2, 6, 10, 12, 13 – inscrito na moção de rejeição do PP ao PEC 2011/2014.

15 comentários:

Anónimo disse...

No mínimo, oportuno. Acordaremos desta letargia? O neo liberalismo (qual social democracia qual carapuça) veio para ficar. Quanto a culpados das dívidas ninguém está isento de culpas. Mas nem tudo é mau neste pobre país. Pode não criar-se riqueza mas que se vai criando cada vez mais ricos lá isso vai sendo conseguido...

Anónimo disse...

o governo deve cuidar de livrar o seu povo da fome, do medo, da discriminação, da exploração e da injustiça, algo que nos últimos 100 anos não tem acontecido, antes pelo contrário.

Anónimo disse...

No meio desses 100 anos,tivemos uma altura que foi diferente.Tivemos progresso,eramos um País independente,tinhamos autoridade,acima de tudo tinhamos trabalho.Esse tempo terminou quase a quarenta anos.Agora somos todos democratas,o pequeno problema é que temos que pagar as multas do «buchechas.Isso é o menos.

Paulo Pinto disse...

Todas as tentativas de descredibilização deste governo vindas do PS são sempre engraçadas. A começar pela desonestidade de comprar dois momentos distintos no tempo e duas situações económicas completamente diferentes.

Mas vejamos essa credibilidade do PS (que tanto tenta descredibilizar os outros):

Antes das eleições de 2009, o PS apresentou um "excelente" défice ("ainda está para nascer.. blá blá) para, depois das eleições corrigir o mesmo e desfazer o engano aos portugueses. Afinal haviam 3,5 mil milhões de despesa a mais que tinha sido escondida. Só por aí já não merecia a credibilidade de ninguém mas depois de apresentar 4 PECs onde todos e cada um iam resolver todos os problemas do país e nenhum resolveu nada, o PS deixa-se cair na desgraça (mas ainda hoje continua a dizer que depois de 3 PECs falhados, o 4º é que ia resolver tudo)
Credibilidade zero, obviamente.

Dívidas escondidas;
Parques escolares com derrapagens de 300% (e agora que acabou o dinheiro: "ai jesus que o Governo atenta contra a escola pública);
Fundações;
PPPs com 50 000 000 para pagar em 10 anos;
TGVs para os construtores;
Aeroportos para os construtores;
Autoestradas para os construtores (e agora que acabou o dinheiro: "ai jesus que o Governo não ajuda a construção);
Rendas de tribunais para os construtores;
Diplomas dados a quem fizer uma redação sobre "o seu jardim lá de casa";
Computadores gratuitos para os que quiserem tirar um diploma a fazer uma redação sobre "o seu jardim lá de casa";
Recusa em pedir ajuda financeira quando já nem havia dinheiro para salários na função pública;
Depois da ajuda pedida, sacodem a água do capote e dizem que não reveem no que pediram;
Apresentam como proposta não pagar o que pedimos emprestado para "meter medo" ao mercado;
Zero propostas válidas apresentadas até agora;
Guerras internas onde o líder é apunhalado pelas costas todos os dias;
É esta a imagem de credibilidade que o PS deixa todos os dias.

«Eu engano-me, mas não engano, e não engano deliberadamente» Teixeira dos Santos em 2009.

Credível.

(e aos salazaristas que aqui comentam e anseiam a vinda do Messias todos os dias: tenham juízo)

Paulo Pinto disse...

*comparar

jorge pinto disse...

Esse comentador que deseja o passado do Salazar se calhar teve sempre boa mangedoura.nunca os pais tiveram de passar uma noite junto á padaria para conseguir trazer uma sêmea para apagar a fome aos filhos.Trabalho?havia mas era de escravatura de sol a sol e sem direitos nenhuns.Para esse snr.com letra pequena devia de vir uma guerra colonial e obrigá-lo a ir nas condições que nós fomos.

Anónimo disse...

Tu não vês que é um ideológo,com base no laranja mecânica! Há 40 anos ele ainda era espermatozóide,quem ia á padaria eram os futuros Pais.

Se viesse uma guerra colonial,este era dos que tinham aqueles "conhecimentos" "um amigo na tropa" ou no pior,ficava "objector de consciência"...trabalho só de faca e garfo lol.

Anónimo disse...

Temos aqui alguem muito bem informado.Relativamente á fome,secalhar foi a erdada dos democratas que assassinaram a Familia Real para se lá meterem,e em pouco tempo,como todos queriam roubar ao mesmo tempo,foi uma total desgraci.a.Daí é que veio a fome.Esses mesmos democratas mandaram para a gerra muitas centenas de soldados que morreram massacrados numa gerra que era dos outros.Em relação á gerra colonial,ela começou após o 25 de abril.ainda hoge vejam o que se passa na Guiné.As infraestroturas que lá existem,são ainda o que foi feito no tempo da outra senhora.Na altura em que Salazar ascendeu ao puder,Portugal era um País eputecado á Inglaterra,com um analfabetismo inorme,«crianças dos 6 aos 10 anosera de setenta e sinco por cento».Digame Sr.PP qual o valor da dívida externa nacional.Sabe quantas escolas já se fecharam das que foram contruidas nesse tempo?.Sabe qual era a taxa de desemprego?Sabe qual a fortuna deixada por Salazar após sua morte?.Sabe quem instaurou a ditadura em Portugal?.Sei que sabe tudo,tambem sei que daria,se não o é,um bom político,da era moderna,claro.

Anónimo disse...

não gosto nem nunca gostei de fanáticos e fundamentalistas, mas diga-me sr. pp, é ou não verdade que há fome, que há medo, que há discriminação, que há exploração e que há injustiça? quanto ao comentador saudoso do salazar lhe deixo a mesma questão, porque não vejo nestes dois, diferenças de pensamento apenas de forma

Anónimo disse...

Quem manda na europa, em portugal no PS e no PSD/PP, é a Goldman Sachs. E a figura portuguesa dessa organização é o sr Antonio Borges, que está a controlar as privatizações, o negocio, o saque do nossas empresas públicas, da nossa empresas estratégicas.
Tudo o resto é treta.
Acusam-se uns aos outros e no entretanto a coisa vai para o rumo desejado.
O PSD é hoje um partido ultraliberal de acólitos fanáticos e sem vergonha(no caso do relvas), da doutrina dos bancos mundiais.
Basta... Paulo Pinto.. pensa um pouco!
Porque raio andamos a investir na EDP todos estes anos? qual era a desculpa ? Energias renovaveis e independencia energética do exterior, independencia do petróleo. Pois bem, porque foram vender isso ao estrangeiro?
Sabemos que a energia do futuro não é o petróleo...é a electricidade. No dia da venda da edp, vi pela primeira vez uma publicidade a um carro eléctrico na TV. Brincam connosco.. Sois todos da mesma laia.

Como podeis vos acusar uns aos outros, se sabeis que jogais como as mesmas cartas e com os mesmos fins? O Sócrates meteu o país no buraco mas sabes perfeitamente que o vosso Jardim ajudou. E as autarquias, que são na maioria PSD, não se encostaram ao Sócrates para que ele fizesse obras no seu concelhos? Não sejam hipócritas.
A politica é um tacho para vocês, só isso.

Anónimo disse...

Já agora P.Pinto, quando é que dizes ao Alf. H. para deixar cair a porcaria da caixa das Ortas?
Achas que é algo necessário ao Município que nem dinheiro tem para pagar as suas dividas.

Anónimo disse...

O socrates arruinou-nos mas o passos vai vender-nos e escravizar-nos.

Anónimo disse...

Não temos que ser saúdosistas,agora estamos vmelhor,senão vejamos:o bacalhau vem da Suecia,«eramos dos maiores nessa area.A soja do Brasil,a carne de bobino de Espanha,o milho do Brasil,o trigo de França,artigos de padaria de Espanha,tambem dessa terra conservas,peixe,etc.Passamos de pobres que tinhamos quase tudo,a ricos sem nada,perdão,temos individuos na lista dos mais ricos do mundo.Por isto e por outras,não temos que ser saúdosistas.

Anónimo disse...

Ao anónimo 4/20/2012,pergunta-se quem mandou abater os barcos de pesca?quem deu dinheiro aos agricultores para não cultivar as terras,e,não produzir leite etc.etc.

Anónimo disse...

Concerteza que não foi Salazar,ou terá sido?