14 maio, 2012

Faço minhas as palavras de outros...

Faço minhas as palavras de outros...
Um rapazola a quem calhou ser primeiro-ministro "Estar desempregado não pode ser um sinal negativo. Despedir-se ou ser despedido não tem de ser um estigma. Tem de representar também uma oportunidade para mudar de vida. Tem de representar uma livre escolha, uma mobilidade da própria sociedade." Pedro Passos Coelho Há pessoas que tiveram uma vida difícil. Por mérito próprio ou não, ela melhorou. Mas não se esqueceram de onde vieram e por o que passaram. Sabem o que é o sofrimento e não o querem na vida dos outros. São solidárias. Há pessoas que tiveram uma vida difícil. Por mérito próprio ou não, ela melhorou. Mas ficaram para sempre endurecidas na sua incapacidade de sofrer pelos outros. São cruéis. Há pessoas que tiveram uma vida mais fácil. Mas, na educação que receberam, não deixaram de conhecer a vida de quem os rodeia e nunca perderam a consciência de que seus privilégios são isso mesmo: privilégios. São bem formadas.
E há pessoas que tiveram a felicidade de viver sem problemas económicos e profissionais de maior e a infelicidade de nada aprender com as dificuldades dos outros. São rapazolas. Não atribuo às infantis declarações de Passos Coelho sobre o desemprego nenhum sentido político ou ideológico. Apenas a prova de que é possível chegar aos 47 anos com a experiência social de um adolescente, a cargos de responsabilidade com o currículo de jotinha, a líder partidário com a inteligência de uma amiba, a primeiro-ministro com a sofisticação intelectual de um cliente habitual do fórum TSF e a governante sem nunca chegar a perceber que não é para receberem sermões idiotas sobre a forma como vivem que os cidadãos participam em eleições. Serei insultuoso no que escrevo? Não chego aos calcanhares de quem fala com esta leviandade das dificuldades da vida de pessoas que nunca conheceram outra coisa que não fosse o "risco". Sobre a caracterização que Passos Coelho fez, na sua intervenção, dos portugueses, que não merecia, pela sua indigência, um segundo do tempo de ninguém se fosse feita na mesa de um café, escreverei amanhã. Hoje fico-me pelo espanto que diariamente ainda consigo sentir: como é que este rapaz chegou a primeiro-ministro?

15 comentários:

Paulo Pinto disse...

Conteúdo zero. E a mim não me espanta nada que Daniel Oliveira nunca tenha chegado a nada, nem no bloco de esquerda nem em lado nenhum. Vale pelo pai que tem.

Anónimo disse...

O Daniel Oliveira não foi dócil na linguagem que usou e mesmo não atingindo, ao que diz o comentador, alta posição no seio do BE (e não atingiu porque também perante o Bloco agiu com independência) só disse verdade no que respeita ao vómito do primeiro ministro quando afirmou que o desemprego era uma oportunidade. Um fulano filho de pai médico (logo saído de berço de ouro) que fez na carreira na JOTA (logo não teve tirocínio nem político nem profissional - há por aí outros de outros partidos) começou a trabalhar(?) dependurado no Ângelo Correia, seu padrinho espiritual, político e material, não tem estaleca para ser primeiro ministro nem tem maturidade para conter a verborreia.

José Pinto da Silva

Paulo Pinto disse...

Porque o ex primeiro ministro Sócrates tinha uma longa carreira de trabalho árduo...

Anónimo disse...

Ó pp tu também vales 0,andas armado em icone NL,mas nesse tempo os teus limpavam-te a cáca,pois andava de fraldas.

Mais tarde lá aprendeste a limpar-te,mas não deixas de andar com a m***a"habitue".

Esse passos ou me engano muito,ou vai ter um final muito infeliz,tal qual o outro em Nl! Puxa, puxa pela cabeça já que gosta do avatar.

Anónimo disse...

Li há pouco uma entrevista dada por otelo saraiva de carvalho,cujo titulo era o seguinte«Precisamos de um homem com a inteligencia.e honestidade de SALAZAR». Concordo plenamente,.

XEIRINHAS disse...

Só queria que me dissessem o passado trabalhista dos politicos, mesmo de todos, que estão agora no activo. E mesmo os do passado? E já agora podem acrescentarem o berço que pelos vistos também tem importância.

Anónimo disse...

Atenção: gajo de esquerda à vista!

Pinto da Silva e Xeirinhas com os cabelos eriçados!

Anónimo disse...

Um bom exercicio nos foi sugerido. Lembro alguns. Do passado presente: Alvaro Cunhal, Mario Soares,Sá Carneiro, Freitas do Amaral,etc.~
Do presente com pouco futuro:Jerónimo de Sousa(Há que séculos não verga a mola?),Francisco Louçã,Paulo Portas,Passos Coelho(deixou há pouco),Sócrates,Guterres,etc.
Para sá falar dos conhecidos. Deixem-se destes argumentos. Andaram quase todos ao mesmo.Politica e quanto ao berço se não foi de ouro foi de outro qualquer metal nobre. No chão é que não. As excepções só confirmam a regra.

Anónimo disse...

Classificar um politico pela sua origem é de bradar aos céus nem porque se tenha nascido na terra dos berços como é S. Jorge. O visado que não nasceu num berço dos de ouro mas que sempre quiz ser politico só demonstra ter uma mentalidade doentia, inveja, dor de cotovelo ou é um falhado, porque na politica nunca lhe deram votos para tal. Quer no interior do partido quer os caldenses. E nasceu num berço de lata e lata tem ele.

Anónimo disse...

dizia-me hoje um bloquista que o daniel é um rapazola sem carácter e não olha a meios para destruir quem lhe aparece à frente. aliás a entrevista dele à revista do Publico à umas semanas atrás é vergonhosa

Anónimo disse...

Eles só olham para cima, nunca para baixo.
Apesar de não ver nas origens um problema , é notório a falta de consciência transversal da vida dos portugueses, dos problemas sociais e experiência de vida.
É interessante ver como aparecem estas figuras vindas aparentemente do nada, cheio de boas intenções que se mostram venenosas no dia seguinte às eleições.
Já não há problema nenhum em ser apanhado.
Era o socrates como a licenciatura fictícia, com os contratos ruinosos das PPP, etc.
Hoje são os relvas com as ligações ao SIS, ontem Passos a seguir os caminhos do PEC4 que ele proprio criticou e acaba por fazer pior.
As ppp intocaveis.
VAle tudo. Não há vergonha na cara.

Isso reflete-se numa geração de jotas capazes de fazer qualquer coisa em prol do seu partido.
Não há ideologia de fundo, de base.
Há um partido, uma hierarquia à qual se deve dizer amen.
Quais homens livres!!!

Temos que compreender que aos olhos dos "Paulos Pintos", existe um tacho à sua espera nalgum ministério qualquer. Vejam a quantidade de Jovens com menos de 30 anos, que entraram pela porta grande, ministerios adentro e com vencimentos acima dos 3000 4000 euros, todos com a mesma característica, ter cartão da Jota.
Há um deputado, novato , e já na frente daquela bancada, cheio de tiques de superioridade, franze as sobrancelhas num gesto de desprezo pela opinião da oposição. Pois bem é filho do Menezes. Já na frente do partido pouco depois de ter saído da casca e já feito politico aos olhos de muitos.
Não questiono que ele tenha as suas qualidades, mas ver um garoto, com aquela prepotência toda a mandar ou a fazer de conta que manda, é revelador da qualidade da democracia que temos.

Para mim não passam de uns paus mandados , de interesses bem maiores do que podemos imaginar,
Uns paus afiados a ser mandados..

ps:Paulo Pinto, sabes, um erro ñ justifica outro erro , por isso, ñ pegues maus exemplos(socras) para justificar outros.

Joaquim da Silva

Anónimo disse...

Pinto da Silva, então diz que o Passos não tem tirocinio politico pois só andou pela JOTA? Desculpe-me mas está a perder qualidades de avaliação, JOTAS é o primeiro estagio para o profissionalismo.

Paulo Pinto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Paulo Pinto o Pai do Daniel Oliveira é quem!? Não estou a ver!
Conheço o Daniel Oliveira mas o Pai não sei quem é... Só por interesse nada mais! Obg!

Paulo Pinto disse...

É o enorme poeta Herberto Helder.