13 novembro, 2012

Uma espécie de “troika local”

Na próxima sexta- feira o nosso “Ministro das finanças” da Cambra, vai a Lisboa assinar um empréstimo de 12,8 milhões de Euros!

Já está marcada uma reunião de Cambra extraordinária para quinta-feira, para que seja aprovada a minuta que será assinada em Lisboa.

A nossa Cambra conta receber 70% desse empréstimo ainda este ano e os restantes 30% no ano que vem!

Pelo que se sabe, com este empréstimo a Cambra pensa resolver as suas dívidas com as Freguesias e Associações, assim como com alguns fornecedores!

6 comentários:

Anónimo disse...

E talvez pagar a viagenzita a Moçambique mais a conta de telélé que de lá advirá....isto eu a pensar assim de repente.....

Anónimo disse...

Democracia,meu amigo.

Anónimo disse...

vai e que temte la ficar para trazer dinheiro que vem pressiso

Anónimo disse...

A prioridade nos pagamentos já está decidida e será a seguinte:
1. Fornecedores;
2. Juntas de Freguesia;
3. Associações.

Lógica da definição de prioridades: primeiro os que cobram juros e colocam a Cambra em tribunal devido aos atrasos de pagamentos (fornecedores mas só os grandes para confirmar a lógica de que a justiça em Portugal está ao serviço dos ricos).

Conclusão óbia: as associações não vão chegar a ver a cor do dinheiro, para as juntas funcionará a estratégia eleitoral de outubro de 2013 (o que pode explicar o "elogio da loucura" feito pelo presidente da Junta de São João de Ver há uns tempos no jornal) e os fornecedores que se vão safar com a fatia de leão serão os que faturam juros e que têm processos judiciais em curso contra a cambra (curiosamente são os empreiteiros do círculo restrito o que evidencia uma jogada de mestre - continuam a ganhar mas desta vez sem fazer obra, ganham por esperar pelos pagamentos o que é aparentemente legítimo mas autenticamente indecente porque combinado)!! Mas o povo é quem mais ordena, vamos a ver se ordenará em outubro de 2013 que continue esta pouca vergonha...

Anónimo disse...

O povo gosta desta estratégia de liderança e os amigos e menos amigos aguentam calados há espera que lhes chova no quintal. É a democracia não a que gostariamos e deveriamos ter mas a que temos. Mas estejam atentos que vem aí mais estratégia a caminho em forma de papel, muito papel :)

Toni Almeida disse...

Vamos lá ver se a divida a Milheirós de Poiares fica paga antes de mudarmos para SJM...