09 janeiro, 2013

JS - A extinção dos eventos culturais

6 comentários:

Paulo Pinto disse...

"Não é posição da JS acabar com qualquer evento que seja sustentável...", portanto querem acabar com os eventos que não se pagam a si mesmos. Assim ficamos mais esclarecidos. Obrigado.

Anónimo disse...

Não há dúvida que os "velhos politicos" não se tem portado bem a começar pelos últimos governos do PS e a acabar no actual. Mas com estes jotinhas alguém chega a algum lado? Eles talvez cheguem. Os portugueses e neste caso os Feirenses não. Infelizmente para mim não é nada de novo. Continuo a acreditar que um dia isto ha-de mudar, mas não com este gentinha.

Daniel Gomes disse...

Eu só gostava de saber qual é o problema em apontar problemas e definir um critério de atuação. Mas será que por serem Jotas, tal como eu, já não podemos ter opinião ou está degradada à partida?
Que tipo de intervenção é que pretendem ter? A de protestar no sofá e não fazer nada? Eu acho é que muita gente fala, sem nada saber nem fazer...é a crítica fácil.
Cheguem-se à frente, atuem e verão como é muito mais fácil estar desse lado do que deste. De minha parte, continuarei a fazer o que puder, para reverter aquilo que considero estar mal.
Bom fds.

Anónimo disse...

Caro Daniel. Estou no terreno sei do que falo e quanto custa, de facto, fazer. Mandar palpites é fácil. Critiquei o comunicado desta notícia porque é de facto de um pobreza franciscana que dá dó. Para dizer mal já há muita gente. Gente a mais. O que o país e o concelho precisa é quem diga oque se não deve fazer, o que se deve fazer, como e com que dinheiro. De "postas de pescada" estão os portugueses a ficar fartos. Dai, permito-me concluir, a ironia de Paulo Pinto.

Anónimo disse...

Este Anonimo é laranjinha de certeza. Deve ser outro dos tais que acha que só o laranjal é que faz as coisas bem feitas.

Fala de pobreza franciscana, sem olhar para o seu umbigo e verificar que pobre é aquele que não quer ver.

Pobre é um concelho que assina protocolos com zonas francas marroquinas num incentivo à fuga fiscal em portugal...só para alguns, como é óbvio.

Pobreza verifica-se num concelho que tem as estradas num estado miserável e de terceiro mundo.

Pobreza é um concelho onde as obras não são fiscalizadas nem por moscas, quanto mais por técnicos.

Este anónimo anda no terreno, mas deve ser um terreno tão lamacento e opaco que nem sequer tem a riqueza de espirito de referir que posições discorda no comunicado, ou o que faria de diferente.

É dos tais que manda umas postas sobre as coisas, mas nem diz exactamente sobre o quê. Isso sim parece-me pobreza...mas essa, nem Franciscana é...trata-se somente pobreza de espirito.

Enfim...homens da lama.



Anónimo disse...

agarram-se a qualquer coisa estes políticos de algibeira...cambada de malandros: JSD, JS e afins...querem é tacho...porque, quem quer intervir numa comunidade tem outras formas de o fazer...